quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A crise como gralha

É verdade que atravessamos uma situação que é mais que uma passageira crise financeira, mas considerar que é o triunfo definitivo dos fortes parece-me abusivo, porque os fortes, ainda que munidos de uma ideologia, nunca seriam tão pouco calculistas ao ponto de deixar o sistema bloquear (mesmo na crua luta biológica há sempre oportunidade à sobrevivência do próximo vencedor). Portanto, a «crise» é uma entropia capitalista mas com fé. E se a palavra crise não caracteriza a sofisticada autorregulação já a «esperança» põe-te em pé, guerreiro.

***